Pular para o conteúdo

Quais os impactos das chuvas para a atual safra de grãos?

- - - - - PUBLICIDADE - - - - -

safra paulista de grãos

Foto: Freepik

- - - - - PUBLICIDADE - - - - -

A combinação de frentes frias e áreas de instabilidade na primeira quinzena de outubro provocou chuvas abrangentes no Paraná e em Santa Catarina, chegando a superar 300 milímetros em importantes áreas produtoras. A precipitação excessiva acabou prejudicando parcialmente o manejo, a maturação e a colheita do trigo da safra 2021/22. A estudo é do Boletim de Monitoramento Agrícola (BMA), publicado pela Companhia Vernáculo de Aprovisionamento (Conab), na última quinta-feira (20). Além do trigo, foram analisadas outras culturas de grãos no período de 1º a 15 de outubro de 2022.

+ Viu isto? Milho embaixo d’chuva: alagamentos destroem lavouras

O excesso de chuvas gera preocupação em relação à queda de qualidade por excesso de umidade nos grãos do trigo na região Sul e em São Paulo — onde 80% das áreas foram colhidas até o termo da primeira quinzena de outubro. No Paraná, por exemplo, a dimensão totalidade colhida chega sobre 50% e, apesar do potencial produtivo ter sido impactado pela seca em fases anteriores, o rendimento médio é satisfatório. No Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, a colheita já foi iniciada (3%), apesar das chuvas frequentes terem restringido as operações.

Grãos na safra 2022/23

grãos

Foto: Fabio Scremin/APPA

Para as culturas de grãos da safra 2022/23, foi observado que as precipitações favoreceram a semeadura de soja em Mato Grosso e no Paraná. Entretanto, o excesso de umidade atrasa esta lanço em São Paulo, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul. Em Minas Gerais e na Bahia, o plantio foi iniciado no primícias de outubro, posteriormente o termo do vazio sanitário. Na região do Matopiba, o início da semeadura da soja foi provável exclusivamente em áreas irrigadas em razão da baixa umidade no solo.

No caso do milho 1ª safra, a semeadura evolui rapidamente, chegando a 74% da dimensão estimada no Rio Grande do Sul e 75% no Paraná, com destaque para as regiões de Ponta Grossa, Guarapuava/Irati e Pato Branco. Mas, o plantio segue em ritmo lento em São Paulo e Santa Catarina, principalmente em razão do excesso de umidade. A lanço também segue vagarosamente em Goiás, onde os produtores têm oferecido prioridade à soja.

No período analisado, os maiores acumulados de chuva ocorreram nas regiões Setentrião e Sul do Brasil. Na região Setentrião, os índices pluviométricos foram mais elevados no oeste do Amazonas, em Rondônia, no Pará e no Acre. Ocorreram chuvas volumosas também nas regiões Núcleo-Oeste e Sudeste, onde áreas de instabilidades associadas a calor e umidade resultaram em até 200 mm no oeste de Mato Grosso e no sudoeste de Mato Grosso do Sul.

Enquanto isso, pouca ou nenhuma precipitação na região Nordeste foi observada, o que inclui as regiões do Sealba e secção do Matopiba. O cenário beneficiou a maturação e a colheita do feijoeiro e do milho de 3ª safra no Sealba. O estudo é resultado da colaboração entre Conab, Instituto Vernáculo de Meteorologia (Inmet) e Grupo de Monitoramento Global da Cultivação (Glam), além de agentes colaboradores que contribuem com dados pesquisados em campo.

_______

Saiba em primeira mão informações sobre lavradio, pecuária, economia e previsão do tempo. Clique cá e siga o Via Rústico no Google News.