Pular para o conteúdo
- - - - - PUBLICIDADE - - - - -

O mercado físico do boi gordo teve um dia de preços mais fracos nesta terça-feira (18).

De acordo com o analista de Safras & Mercado Fernando Henrique Iglesias os frigoríficos que atuam no Centro-Norte do país ainda desfrutam de uma frente bastante satisfatória em suas escalas de abate. Nesse ambiente delimitado parece pouco provável que haja recuperação dos preços durante o mês de outubro.

- - - - - PUBLICIDADE - - - - -

“Outras regiões desfrutam de maior estabilidade, caso de São Paulo e de Minas Gerais, onde o padrão de negócios se consolidou nas últimas semanas. Para o último bimestre, há maior propensão a reajustes em função da boa demanda de carne bovina prevista para o período. No entanto, esses movimentos tendem a ocorrer de maneira comedida, sem repetir as altas explosivas de anos anteriores”, diz Iglesias.

Dessa maneira, em São Paulo (SP), a referência para a arroba do boi ficou em R$ 291. Já em Dourados (MS), a cotação recuou para R$267.

Ao mesmo tempo, em Cuiabá (MT), a arroba de boi gordo finalizou o dia cotada a R$ 255. Simultaneamente, em Uberaba (MG), as cotações ficaram em R$ 287.

Já em Goiânia (GO), a arroba continuou cotada em R$ 263.

Boi: mercado atacadista

O mercado atacadista segue com preços acomodados.

De acordo com Iglesias, o ambiente de negócios sugere por menor espaço para reajustes no curto prazo, em linha com a reposição mais lenta entre atacado e varejo durante a segunda quinzena do mês.

boi

Foto: Arnaldo Alves / AEN

Além disso, ainda há algum otimismo em torno da recuperação dos preços do atacado ao longo do último bimestre, período pautado pelo ápice do consumo no mercado doméstico.

Então, o quarto dianteiro foi precificado a R$ 16 por quilo.  Já a ponta de agulha teve preço de R$ 15,80.

Por fim, o quarto traseiro do boi teve preço de R$ 21,25 por quilo.